DestaquesMato Grosso do SulNotícias

Números comprovam eficácia de Lockdown, diz adjunta da Saúde

Adjunta estadual de Saúde, Cristhinne Maymone, afirma que conjunto de medidas adotadas em Dourados fez pressão no sistema

A fila de pacientes com Covid-19 que esperam por uma UTI (Unidade de Terapia Intensiva) em Dourados está hoje com três pessoas, sendo que dois são de Dourados e um de Mundo Novo, segundo dados do boletim Coronavírus divulgados hoje pela Secretaria de Estado de Saúde.

“O lockdown foi uma medida de extrema importância que ajudou o sistema de saúde a se reorganizar, e por isso, a fila de UTI de Dourados está hoje com quatro pacientes, número muito inferior aos 70 pacientes que tinha antes. O município tomou uma série de medidas importantes, entre uma delas, com certeza naquele momento, foi o lockdown, porque restringiu a mobilidade humana e diminuiu a taxa de contágio entre as pessoas”, afirma Cristhinne Maymone, Secretária Adjunta Estadual de Saúde.

Dourados decretou lockdown entre os dias 30 de maio e 12 de junho. Cristhinne também destaca que outras medidas em conjunto com o lockdown foram importantes. “Outras medidas muito importantes também foram feitas pelo prefeito em Dourados, que foi a própria reorganização do sistema, a transferência de pacientes para fora, abertura de novas unidades que pudessem vacinar e o diagnóstico precoce com mais de 2 mil testes antígenos”, enumera.

“Não é hora de baixar a guarda”

Os resultados positivos que aparecem nos dados retratam o esforço da população douradense, e por isso é importante continuarmos com todas as medidas de prevenção a contaminação da Covid-19.
“Também é muito importante dizer para a população que é preciso continuar com todas as medidas preventivas, como: uso da máscara, distanciamento físico, evitar aglomerações, ou seja, nada de festinhas, nem dentro de casa ou fora, porque ainda vivemos um momento que temos circulação viral no Estado e não podemos baixar a guarda de jeito nenhum”, alerta a secretária.

Vacinação

Segundo a secretária é preciso alcançar uma porcentagem de 70% da população vacinada para se pensar em medidas mais flexíveis. Por isso, a população precisa se vacinar e não esperar para escolher determinada vacina.
“Todos devemos vacinar com as vacinas que existem e que estão disponíveis. Não podemos titubear e neste momento querer escolher a vacina. Nós precisamos de 70% da imunidade da população para que possamos ter medidas mais flexíveis. Todas as vacinas têm um efeito positivo e com evidências científicas com relação a elas. E enquanto nós demoramos para vacinar, novas variantes do vírus aparecem, ou seja, ele se transforma. Essa doença é muito séria, contagiosa e cada vez que ela muda, também muda o comportamento com relação a sua gravidade e ao grupo de risco que ela ataca. É um motivo de preocupação as mutações do vírus”.

Mostrar Mais
Botão Voltar ao topo